Livro Não é Caixa de Sabão em Pó

por | 10 dezembro 2017

No mercado editorial, a capa do livro fica sempre no meio do embate “livro como objeto cultural” versus “livro como produto” — uma batalha épica entre o caráter editorial e o caráter comercial da publicação.

Na minha opinião o equilíbrio deve sempre prevalecer pois ver o livro apenas como objeto cultural ou artístico é tão prejudicial como vê-lo apenas como um produto qualquer.

Infelizmente, na ânsia desesperada de promover o livro como produto, algumas editoras transformam as capas de livros em verdadeiros outdoors, sem parar para refletir sobre este tipo especial de consumidor que é o leitor e nas relações emocionais que o conecta ao livro.

Esta visão simplista de vendas se traduz obviamente nas capas de livros. E é representada na maneira exagerada de gerar o apelo visual necessário para chamar a atenção do consumidor: letras enormes, garrafais, para título, nome do autor, chamadas, além de cores vivas e contrastantes por toda a capa. Para um editor com esta maneira estritamente comercial de enxergar o livro, potencializada ainda pelo medo de um resultado negativo nas vendas, o apelo visual naturalmente assume o seguinte tom desesperado:

Gritos ruidosos, altos, estridentes:
— Eu tô aqui!!! Eu tô aqui!!! Eu sou muito bom!! Compre-me!!!! Compre-me pelamordedeus!!! Olhe para mim!!!!”

Já o designer gráfico editorial sabe que não precisa partir para o exagero. Com seu conhecimento técnico e teórico sobre comunicação visual, ele usa o apelo visual de maneira bem mais objetiva e confiante. O tom é, consequentemente, totalmente diverso:

Um assovio em um tom especial, encantador, quase irresistível, que hipnotiza o leitor dizendo:
— Olá, venha dar uma olhada em mim, sou diferente, único. Veja como meu conteúdo é interessante, tenho certeza que vc vai me levar…

Ou seja, enquanto alguns editores tendem a sempre trilhar o caminho mais fácil para chamar a atenção, utilizando seus limitados conhecimentos de linguagem visual (“Aumente o título, aumente o nome do autor, coloque cores chamativas na capa”), o designer editorial deve, sempre que possível, insistir com a editora para criar este apelo visual utilizando recursos mais criativos, principalmente conceituais, sem partir para técnicas visuais simplistas e exageradas.

Afinal, este Capista aqui ainda prefere acreditar que “livraria não é bem um supermercado e capa de livro não é exatamente uma caixa de sabão em pó.

0 comentários

Outros Posts:

Você de capa de livro nova!

Acompanhe a evolução dos layouts no processo de criação da capa do livro “Você de Emprego Novo!” da psicóloga e coach Taís Targa.

Softwares para Design Gráfico

Muitos designers iniciantes se confundem quanto à função de cada software de design. Existem 3 tipos básicos de ferramentas para criação. Vamos conhecê-los?

A Estrutura de uma Capa de Livro I

O que é quarta capa? Qual largura deve ter a orelha do livro? Tire essas e outras dúvidas nesse artigo sobre a estrutura física de uma capa de livro!

Capas de Livros: 6 dicas para Autores

Para quem é autor independente e planeja lançar seu livro, juntei 6 dicas valiosas sobre o elemento mais importante da divulgação de sua obra: A CAPA DE LIVRO!

O Papel do Designer Gráfico

O que faz um Designer Gráfico? Qual a sua missão? Parece algo simples, mas vejo que muitas pessoas que atuam na área ainda se confundem na resposta.

À Bettger com Carinho

A leitura do livro clássico de Frank Bettger mudou minha visão profissional. 20 anos depois, a chance de retribuir postumamente ao autor, criando a capa para sua obra.

Rubens Lima

Designer gráfico com mais de 20 anos de experiência na criação de capas de livros para tradicionais editoras do mercado. Profissional com centenas de capas publicadas e, por três vezes jurado do Prêmio Jabuti — o mais importante prêmio do mercado editorial brasileiro — nas categorias capa de livro, projeto gráfico e ilustração. É professor de Design Editorial no curso de pós-graduação MBA Book Publishing e no curso EAD de Formação de Editores.
Conheça mais...